FCO libera R$ 59 milhões para atividades empresariais e rurais em Goiás

Na 358ª reunião do Conselho de Desenvolvimento do Estado (CDE) do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO), que ocorreu nesta sexta-feira (26), foi realizada análise de cartas-consultas para receber financiamento, aprovação de novas resoluções, a revalidação de cartas já analisados posteriormente e a divulgação do balanço do FCO de Goiás em 2020.

A reunião foi a segunda para análise de cartas-consultas em 2021. Foram 49 propostas de financiamento aprovadas no valor total de R$ 59,311 milhões com previsão de gerar 307 empregos diretos.

Para o setor empresarial, foram aprovadas 22 cartas, que somam a ordem de R$ 20,030 milhões, com pretensão de gerar 267 vagas de trabalho diretas. Já para o rural, foram 27 propostas de financiamento aprovadas, no valor total de R$ 21,223 milhões com previsão de gerar 40 novos empregos.

Como o Governo de Goiás coloca como prioridade o fomento de pequenos e médios empreendimentos, todos os financiamentos aprovados pelo CDE/FCO nesta reunião foram para empresas e produtores rurais de pequeno a médio porte. Das 49 cartas aprovadas, 22 são de pequeno porte, 18 de pequeno-médio e sete de médio tamanho.

As novas resoluções, que passam a valer a partir de hoje (26), definem que o novo teto para financiamento de projetos do programa rural é de R$ 1,5 milhão, cerca de 66,7% superior ao teto do ano passado e os projetos de financiamento para capital de giro ficam limitados a ordem máxima de R$ 1 milhão.

Também foi aprovada prioridade de financiamento para empreendimentos que têm cunho social e de desenvolvimento regional,  além do novo projeto para integração rural, que consiste na criação de financiamento de até R$ 3 milhões para cartas voltadas para o desenvolvimento de atividades de aviculturas nos municípios da Região Nordeste do Estado.

Das cartas-consultas revalidadas, foram cinco, que somam a ordem de R$ 74,143 milhões para financiamento de atividades da construção civil, geração de energia limpa e aquisição de equipamentos e maquinário.

 

FCO 2020

No balanço do FCO de 2020 constam 8.679 projetos aprovados para receberem o financiamento total na ordem de R$ 2,487 bilhões, que têm previsão de gerar 100.444 empregos diretos em todos os 246 municípios do Estado.

O orçamento proposto para o ano passado foi de R$ 2,15 bilhões. Contudo, as contratações superaram em 15,3% a proposta, o que somou R$ 2,48 bilhões em contratações, além dos R$ 539 milhões destinados para a Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal e Entorno (RIDE).

O setor rural foi o mais favorecido. Da ordem total de contratações, R$ 1,5 bilhão foi destinado para os produtores rurais. Enquanto para o setor empresarial foram destinados R$ 949,9 milhões. Os indicadores do incentivo do ano passado colocam Goiás como o líder da Região Centro-Oeste no recebimento de recursos do FCO.

Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e o Distrito Federal receberam do FCO R$ 2,446 bilhões, R$ 1,843 bilhões e R$ 766,78 milhões, respectivamente, que correspondem a 4.845 projetos aprovados no Mato Grosso (23,5%), 4.875 no Mato Grosso do Sul (23,7%) e apenas 2.172 no Distrito Federal (10,5%). Enquanto Goiás, com contratação de R$ 2,487 bilhões, cooperou com 8.679 projetos, ou seja, 42,2% do total aprovado em toda a Região Centro-Oeste.

O Estado também ocupa a liderança no ranking da Região Centro-Oeste de geração de empregos por meio dos projetos beneficiados pelo financiamento em 2020. A previsão é que 100.444 vagas de trabalho diretas sejam criadas em Goiás. Já no Mato Grosso, que ficou em segundo lugar, serão gerados 95.609 empregos, seguido de Mato Grosso do Sul (72.951) e Distrito Federal (30.278).

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.