Indústria goiana cresce pelo terceiro mês consecutivo, segundo IBGE

A indústria de Goiás segue em ascensão. É o que aponta a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) Regional, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada na quarta-feira (09/09). No Estado, o setor cresceu 2,5% nos últimos doze meses e 1,7% nos últimos sete meses, na comparação com igual período de 2019. Os dois percentuais colocam Goiás na segunda posição entre os locais pesquisados, 14 Estados e mais a Região Nordeste.

A indústria goiana é a segunda colocada no acumulado dos últimos doze meses com 2,5% de crescimento, e fica atrás apenas do Rio de Janeiro (4,1%). Todos os demais Estados pesquisados tiveram percentual negativo. O Brasil, nesse caso, registrou índice de -5,7%. 

Quando o IBGE avalia o desempenho da indústria considerando o acumulado do ano (nesse caso os últimos sete meses – janeiro a julho), Goiás também aparece na segunda posição com percentual de 1,7% comparado com o mesmo período de 2019. Novamente, o Estado só ficou atrás do Rio de Janeiro (2,1%). Todos os demais entes federados pesquisados tiveram registros negativos. O Brasil, também nesse caso, sofreu queda de -9,6%. 

Na avaliação do desempenho da indústria goiana para o mês de julho, comparado com julho de 2019, Goiás ficou em terceiro lugar com registro de crescimento de 4%. Pernambuco (17%) e Amazonas (6%) ocuparam o primeiro e o segundo lugares, respectivamente. A indústria no Brasil teve recuo de -3% nesse período. 

Crescimento sólido


Além de driblar as dificuldades impostas pela pandemia da Covid-19 e continuar a se expandir, na comparação com os números de 2019, a indústria goiana, alavancada pelas ações do Governo de Goiás, apresentou crescimento nos últimos três meses pesquisados pelo IBGE (maio, junho e julho). 

No levantamento que apura o crescimento acumulado dos últimos doze meses, Goiás apresenta números positivos nos três últimos registros feitos pelo IBGE: 2,5% (julho), 2,3% (junho) e 1,4% (maio). O Estado fica sempre em segundo lugar nesse período em relação aos demais locais pesquisados. 

Quando a pesquisa avalia o resultado dos números considerando o mês pesquisado com o mesmo período de 2019, o crescimento em julho foi de 4%, em junho chegou a 6,2% e maio a 1,6%. 

Empregos e renda


Os números do setor industrial corroboram o que o governador Ronaldo Caiado tem defendido. “Goiás pensou na frente. Nós fizemos a estruturação da saúde, fizemos a Secretaria da Retomada, foi o único Estado que deu um passo adiante”, expõe. “Nós já estamos preocupados em buscar soluções e, se Deus quiser, vamos ser o primeiro Estado a sair da crise, tanto econômica, de desemprego e a crise social.”

Titular da Secretaria de Indústria, Comércio e Serviços (SIC), Adonídio Neto assegura que os números indicam uma recuperação rápida. “Minha expectativa é que vamos sair da crise ainda este ano. As condições para que isso ocorra estão colocadas e, acredito, que até o final de 2020 estaremos numa situação ainda melhor, com indicadores mais positivos”, diz o secretário. 

Adonídio lembra que o Governo de Goiás tem feito a sua parte com a atração de novas empresas e ampliação das atividades industriais. Somente este ano já foram atraídas 90 novas empresas, sem contar as que já estão instaladas, em franca produção e comercialização de suas mercadorias, especialmente nas áreas de alimentos, farmacêutica e de produção de combustível. 

“O cenário hoje é favorável para nosso Estado graças às inúmeras ações apresentadas e executadas pelo Governo. O resultado aparece com a retomada dos empregos e a chegada de novos investimentos”, finaliza o secretário.

Secretaria de Indústria, Comércio e Serviços (SIC) - Governo de Goiás