Governo atrai empresas que vão gerar mais de 12 mil empregos em Goiás

“Diante da pandemia, nosso Estado priorizou a vida, mas não parou de crescer”, afirmou Caiado ao assinar protocolo de intenções e garantir investimentos de R$ 1 bilhão

O Dia da Indústria foi muito mais que uma data simbólica, neste ano, em Goiás. Mesmo em plena pandemia do novo coronavírus, o Estado não se descuida da economia e celebra este 25 de maio com resultados concretos: por meio de videoconferência, com a participação de inúmeras autoridades e auxiliares da gestão estadual, o governador Ronaldo Caiado e o secretário de Indústria, Comércio e Serviços (SIC), Wilder Morais, assinaram protocolo de intenção para a instalação de 24 novas empresas em Goiás. Elas serão instaladas em 19 municípios de todas as regiões do Estado, injetando mais de R$ 1 bilhão na economia goiana.

“Diante da pandemia, nosso Estado priorizou a vida, mas não parou de crescer. A balança comercial de Goiás cresceu acima da brasileira, graças à indústria e ao agronegócio. Com serenidade e transparência, recuperamos a credibilidade de Goiás e vamos continuar trabalhando pelo bem de nossa gente”, ressaltou Caiado. As novas indústrias vão beneficiar especialmente os municípios mais carentes, dando continuidade ao propósito do Governo de Goiás de levar o crescimento econômico a todo o território goiano.

Realizada por meio de videoconferência, em respeito às normas de isolamento social, esta foi a segunda solenidade para assinatura de protocolos de intenção deste ano. “A regionalização do desenvolvimento é uma das principais metas da gestão estadual, que vem sendo cumprida desde o ano passado. Em fevereiro, eram 112 empresas, agora, já vão para 136 novas indústrias que estão se instalando em Goiás”, ressaltou Wilder Morais. O titular da SIC frisou que o resultado é fruto de um trabalho realizado de forma conjunta com diversas outras pastas, que continuam trabalhando, todos os dias, especialmente em um momento em que se precisa tanto da retomada da economia.

A expectativa para o panorama dos negócios, em plena crise do coronavírus, é de geração de mais de 12 mil empregos, entre diretos e indiretos. O vice-governador Lincoln Tejota lembrou que ao assumir o mandato percebeu que, assim como a regionalização da Saúde, a regionalização do desenvolvimento da economia também foi uma das principais demandas da população. Segundo ele, graças ao apoio dos empresários o governo tem conseguido corresponder a essa demanda. “Vocês acreditam em nosso governo e são responsáveis por este momento. Goiás é um estado forte, que abraça as pessoas que vêm para cá”, completou.

Uma das novas indústrias é Amarillo Mineração do Brasil, que se instalará em Mara Rosa, Região Norte de Goiás. Engenheiro de minas há 40 anos, o presidente e CEO da indústria, Mike Mutchler, vem de uma família que está há cinco gerações no negócio, e entende o quão importante é o negócio de mineração para uma comunidade. “Estamos preocupados com Mara Rosa, com os empregados e o Estado de Goiás. Vamos nos esforçar enquanto empresa para produzir o melhor possível e para conseguir melhorar a vida de todos nesse processo”, afirmou Mike. Já o diretor Arão Portugal destacou que a Amarillo, além do compromisso firmado de ter pelo menos 75% da mão de obra do município e entorno, vai trabalhar com tecnologia em que não necessite de represa de dejetos minerais. “Temos certeza que nós podemos ser e seremos a mola propulsora da economia de Goiás no norte do Estado”

Em suas considerações, o presidente da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), Lissauer Vieira, disse ser um “entusiasta do emprego” e pontuou que o Governo de Goiás, além cuidar da saúde das pessoas de forma preventiva, com ações para evitar a rápida proliferação do coronavírus em Goiás, não se descuidou da geração de empregos, atraindo novas empresas e indústrias. “A gente vê um trabalho sério, dedicado, de uma equipe do governo, em um momento em que todas as dificuldades do mundo estão sob a responsabilidade dos gestores, não só públicos, mas também dos gestores empresariais do Estado de Goiás”, afirmou.

 

Presente para a economia


A escolha da data, 25 de maio, para manifestação da chegada das novas empresas teve um motivo especial: o Dia da Indústria. Caiado não deixou de render homenagens “àqueles que geram empregos e qualidade de vida ao Estado” e considerou a vinda das empresas um verdadeiro presente à economia goiana. “No momento em que o Estado cuida bem da Segurança, da Saúde da população, faz com que seja cada vez mais republicano, transparente e facilitador de investimentos, nós recebemos em troca a confiança do empresário que quer investir e trabalhar”, frisou.

Caiado aproveitou para falar do ProGoiás, novo programa de incentivos fiscais do Estado, cuja meta é promover o desenvolvimento, com a criação de postos de trabalho, com a devida absorção de mão de obra e movimentação de caixa, mediante investimentos no setor privado com incentivos governamentais.

Presidente do Fórum Empresarial, Marcelo Baiocchi festejou os resultados e elogiou o diálogo que tem mantido com a equipe do governo do Estado, redundando em ações como a iniciativa do ProGoiás, que vai atrair cada vez mais novos investidores para o Estado. “Nós, do Fórum Empresarial, somos grandes parceiros do Estado, para que Goiás possa ocupar seu espaço no contexto nacional. Fazemos coro com esta equipe do Governo de Goiás, que não se cansa de buscar investimentos”, pontuou.

Diretor-executivo da Associação Brasileira Pró-Desenvolvimento Regional Sustentável (Adial), Edwal Portilho, o Chequinho, ressaltou que a indústria goiana já é a sétima melhor do País, mas que há espaço para melhorar. “Com o trabalho da SIC, vai subir para a sexta, passando o Rio de Janeiro”, afirmou, lembrando que Goiás, por sua riqueza, principalmente em termos de matérias-primas, terá totais condições de sair na frente na retomada da economia pós pandemia. Para isto, frisou, é preciso união de governo, empresariado, prefeitos e investidores. “Com esta captura de sinergia, em sintonia fina, é que continuaremos desenvolvendo fortemente no Estado de Goiás”, destacou Chequinho.

Paulo do Vale, prefeito de Rio Verde, falou em nome de todos os demais prefeitos atendidos pelo protocolo. Após a finalização dos trilhos da Ferrovia Norte-Sul, a cidade vai dar início à construção de plataforma multimodal. Segundo o prefeito, já foram contratados 120 funcionários para o início dos trabalhos, chegando a 1,5 mil empregados nos próximos três meses. A ferrovia vai mudar o perfil da economia não só do município, mas do Estado, com a configuração de um novo hub logístico.

“Para se ter uma ideia, serão 1,2 mil bitrens por dia e 2 milhões de toneladas de carga por ano”. Paulo lembra que o projeto, que começou em 2017, já era transformador naquela época. Agora, torna-se vital para vencer o que chamou de ‘segunda pandemia’: o desemprego. “Isso mostra o quanto o governador tem trabalhado para preservar não só nossas vidas, mas também nossa economia”.

 

 

Participantes da videoconferência

 

Acompanharam a videoconferência: O prefeito de Goiânia, Iris Rezende; os senadores Jorge Kajuru e Luiz do Carmo; os deputados federais Flávia Morais, Zacarias Calil, Francisco Júnior, Glaustin da Fokus, José Mário Schreiner, José Nelto, Vitor Hugo, Lucas Vergílio; Alcides Rodrigues; os deputados estaduais Álvaro Guimarães, Amauri Ribeiro, Hamilton Filho, Bruno Peixoto, Cairo Salim, Charles Bento, Chico KGL, coronel Adailton, Diego Sorgatto, dr. Antônio Carlos, Henrique César, Humberto Aidar, Iso Moreira, Jeferson Rodrigues, Júlio Pina, Paulo Cezar Martins, Paulo Trabalho, Rafael Gouveia, Rubens Marques, Thiago Albernaz, Vinicius Cirqueira, Wagner Neto, Tião Caroço, Wilde Cambão, Zé Carapô; os secretários Wilder Morais (Indústria, Comércio e Serviços), Cristiane Schmidt (Economia), Adriano da Rocha Lima (Desenvolvimento Econômico e Inovação), Andréa Vulcanis (Meio Ambiente), Antônio Carlos Neto (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), Marcos Cabral (Companhia de Desenvolvimento Econômico de Goiás – Codego).

Também participaram da reunião virtual os subsecretários Adonídio Neto Vieira (Atração de Investimentos e Negócios),  César Moura (Fomento e Competitividade), os presidentes das entidades Marcelo Baiochi (Fecomércio); Ubiratan Lopes (Facieg), Valdir Ribeiro (FCDL); Rubens Fileti (Acieg); Herculano Anghinetti (presidente executivo da Adial); Otavio Lage Filho (Adial);  Luís Alberto Pereira (OCB/GO); os prefeitos Roberto Naves (Anápolis); Adib Elias (Catalão); Paulo do Vale (Rio Verde); Flávio Batista de Souza (Mara Rosa); Gil Tavares (Nerópolis); Mateus Felix (Santa Cruz de Goiás); Renis César (Itajá); Paulo César de Rezende (Hidrolândia); Jânio Darrot (Trindade); Ailton José Barreto (Nova Crixás); Josemar Saraiva Freire (Cavalcante); Jefferson Leonardo (Guapó) e José Willian Coelho (Panamá).


Protocolo de intenção


Assinaram o protocolo de intenções celebrado pelo Governo do Estado de Goiás, através: das Secretarias de Estado de Indústria, Comércio e Serviços; Economia; Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; Desenvolvimento e Inovação; Agricultura, Pecuária e Abastecimento; e da Companhia de Desenvolvimento de Goiás (Codego), as empresas: AHL Pulp Indústria de Alimentos; AJL Agronegócio Josidith; Amarillo Mineração  do Brasil; Armazéns Gerais 2 Irmãos; Bionorte Indústria e Comércio de Biodiesel; Buschle Alimentos; Eucamad Eucalipto Madeira; Fortal Distribuidora; Frinense Alimentos; Frivam Alimentos; Funcional Logística; Krona Tubos e Conexões  Centro-Oeste; Laticínio Maedra; Ms Bastos Representações (Farma Supply); Maxxi Plus Comercial Importadora e Exportadora; Movia – Consultoria e Holding; Polybio Indústria de Produtos Plásticos; SAS Indústria e Comércio de Produtos Químicos; Soul Produtos; Tecnoequip Transporte de Cargas; XD Importação e Exportação.

A Implantação de Unidades Industriais se dará nos municípios de: Abadiânia, Anápolis, Catalão, Cavalcante, Goiânia, Guapó, Hidrolândia, Itajá, Mara Rosa, Nerópolis, Nova Crixás, Panamá, Professor Jamil, Rio Verde, Santa Cruz De Goiás, São Miguel do Araguaia, Senador Canedo, Trindade e Vianópolis.