Balança comercial goiana cresce acima da brasileira com destaque para o agronegócio e indústria

Mesmo durante a crise provocada pela pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2), a balança comercial de Goiás segue apresentando dados positivos que mostram aquecimento das atividades econômicas no Estado, especialmente em setores como o agronegócio e a indústria. No último mês de abril, as exportações do Estado somaram US$ 611,87 milhões, 6,4% a mais do que no mesmo período do ano passado, produzindo superávit de US$ 411,6 milhões. Os dados constam de um relatório produzido em conjunto pelas secretarias de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), Desenvolvimento e Inovação (Sedi) e Indústria, Comércio e Serviços (SIC).

No mês passado, em comparação com mesmo período de 2019, o complexo soja, que engloba o produto in natura, o óleo de soja e bagaços e farinhas, houve variação positiva de 13,68%, totalizando US$ 375,1 milhões. Ainda no agronegócio, a exportação do item carnes (bovina, suína, de aves e outras) apresentou crescimento de 13,46% em relação a abril de 2019, totalizando US$ 94,02 milhões. 

Já o complexo milho, que engloba o produto in natura, grãos trabalhados, farinha e óleo, além de grumos e sêmola, obteve uma variação positiva de 86,1% em comparação entre abril de 2020 com 2019, atingindo US$ 4,3 milhões.

Titular da Secretaria de Indústria, Comércio e Serviços, Wilder Morais vê os números da balança com entusiasmo, mas lembrando que o cenário na economia mundial é de retração e as perspectivas de curto e médio prazo não são favoráveis. Segundo ele, enquanto as exportações brasileiras recuaram - 5,03%, as de Goiás aumentaram em 3,34%. “E o saldo comercial brasileiro subiu 18,54% no mês e o de Goiás quase dobrou em relação a abril/2019, aumentando 34,57%. Sem contar que nosso Estado foi responsável por 3,34% de todas as exportações brasileiras, resultado bem melhor do que os 2,98% no mesmo mês de 2019”, informou Wilder.

Segundo Plínio Viana, Superintendente de Atração de Investimentos Internacionais da Secretaria de Indústria, Comércio e Serviços, no acumulado de janeiro a abril/2020 os resultados também foram positivos, mesmo em meio à pandemia. As exportações goianas apresentaram valor de US$ 2,207 bilhões de dólares, aumentando 1,3% e as importações somaram US$ 1,066 bilhão de dólares. 

Ele destaca que o saldo comercial nesse período acumulou superávit de US$ 1,141 bilhão de dólares, 0,3% maior que o mesmo período do ano passado. Fazendo um comparativo no período entre o Brasil e Goiás, enquanto as exportações brasileiras recuaram -3,72%, as de Goiás aumentaram em 1,30%. O Saldo comercial brasileiro teve déficit de -16,45% no período e o de Goiás teve superávit de 10,37% em relação ao mesmo período de 2019.

O subsecretário de Atração de Investimentos e Negócios, Adonídio Neto Vieira Júnior, informa que é importante olhar os resultados atuais no meio da pandemia. Setores como o farmacêutico, com crescimento de mais de 9%, impressionam e mesmo indústrias que apresentam quedas temporárias devido ao COVID, como a automobilística, tendem a se recuperar no médio prazo.

 

AGRONEGÓCIO


Para o superintendente de Produção Rural Sustentável da Seapa, Donalvam Moreira da Costa Maia, esses números mostram a importância do agronegócio para a economia goiana. “A força do agronegócio em Goiás tem dois importantes papéis nesse cenário: abastecer os mercados com alimentos e amortecer o impacto da crise econômica no Estado” explica. 

Outros indicadores mostram também que alguns setores da indústria no Estado permanecem aquecidos, mesmo com a pandemia. Em abril, houve uma expansão de 37,22% na exportação de máquinas, equipamentos e aparelhos elétricos e mecânicos em relação ao mesmo período de 2019, totalizando US$ 3,5 milhões. No acumulado de janeiro a abril deste ano em comparação com o ano passado, essa variação positiva nesses itens atinge 118%. 

No ranking de itens importados pelo Estado, produtos farmacêuticos, fertilizantes e produtos químicos orgânicos aparecem, respectivamente, nas três primeiras posições com variações positivas de 9,36%, 11,61% e 23,62%. 

 

CHINA


Em abril deste ano, a China foi, novamente, o principal destino das exportações de Goiás, liderando com 53% de participação dentre todos os países que compraram produtos goianos. 

O subsecretário de Assuntos Metropolitanos, Infraestrutura, Cidades e Comércio Exterior da Sedi, Everton Correia, destaca a liderança chinesa e, segundo o superintendente de Negócios Internacionais da pasta, Edival Lourenço Jr, o cenário pós-pandemia no país asiático deve ser favorável para os produtos goianos.

“Com a normalização pós-pandemia e retomada gradual da economia chinesa, Goiás tende a ser positivamente impactado pela crescente demanda por alimentos e minerais”, explica.

 

Balança Comercial Abril